quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Bali e Komodo (Indonésia) / Phuket (Tailândia)

Oi, galera!

Depois de alguns meses sem rechear o blog de fotos e novidades, estou de volta com imagens lindas de Bali e Komodo (Indonésia), além de Phuket (Tailândia).

Após vinte dias na Europa sendo treinado para exercer novas funções a bordo dos navios Costa, a empresa me redestinou ao Costa allegra, que continua a fazer itinerários asiáticos. Por problemas logísticos, fui "tragicamente obrigado" a ficar três dias em Bali, na Indonésia, com remuneração e alimentação/hospedagem cobertas. Um sacrifício, né, gente?

Aprendi que a cozinha balinesa é muito apimentada, tendo como base folhas, verduras, côco e frutos do mar. Há também uma grande variedade de frutas, entre as quais uma que me chamou atenção foi a melancia amarela. Durante esses três dias, fui a praias, templos, ilhas e registrei algumas fotos:









Já em Phuket, na Tailândia, eu resolvi arriscar. É sabido ao redor do mundo que a preocupação com higiene em alguns dos países asiáticos não é uma constante. Contudo, eu estive disposto a provar um típico jantar tailandês, à beira da rua, em restaurantes ambulantes, cercados por baratas e impregnados com um "aroma" de bueiro. Estava preocupado, pois sempre procuro restaurantes fechados, com garçons e ar condicionado. Dessa vez foi diferente. Queria sentir mesmo a cultura de perto.

Fui acompanhado de uma colega filipina que trabalha no navio. Pedimos peixe frito com alho, vegetais cozidos ao leite de côco (para ela apenas, pois não sou muito fã de leite de côco), salsa picante de camarões com legumes, carangueijo com curry e arroz com frutos do mar. E eu me impressionei! Tenho que confessar que não tinha comido tão bem desde a última vez que minha mãe tinha decidido cozinhar antes de eu embarcar (minha mãe às vezes resolve cozinhar, algo como duas vezes por semana, mais ou menos! RISOS). Apesar de ver as baratas rodando pelo passeio e sentir o cheiro de "bueiro", eu comi até não poder mais. Cada prato com um sabor único, intenso, inigualável. Sem falar na hospitalidade da dona do restaurante. Realmente foi um jantar tailandês inesquecível.
















Descobri também que para enfeitar a quitanda, eles colorem os ovos de rosa. Olha que legal!




Alvorada em Phuket!



Apesar de já ter postado algumas fotos de Komodo no Orkut, resolvi incluí-las aqui também. A Ilha de Komodo é fascinante pelo fato de ter sido mantida quase intacta, mesmo aberta a visitação. Os dragões e os veados ficam soltos, sem nenhum tipo de medicação. Por outro lado, há tratadores e locais por toda a parte para garantir a segurança dos visitantes.













































E assim vou eu, nagevando pelos mares do oriente, com o coração cheio de saudades dos meus, mas com a mente e a alma felizes por aprender tanto sobre tanto. De fato, o preconceito, a discriminação, a intolerância e a arrogância seriam inexistentes se todos conseguissem enxergar que cada um vê o mundo de uma forma, crê em um ou vários deuses diferentes, se expressa e aprecia sentimentos de diversas formas: não há certo ou errado, há apenas o que há! Respeitar é a chave para a paz.
Um beijo e um abraço para minha família e para meus amigos que tanto amo e de quem tenho imensas saudades.
William

segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Um pouco do Vietna

Depois de mais de um mès sem postar, volto com muitas histórias e lindas fotos destes últimos seis dias que passei aqui na Ásia. É claro que desde a última postagem até o dia em que cheguei na ilha de Okinawa eu visitei muitos lugares e fiz muitas fotos, mas decidi recomeçar o blog a partir desta temporada no Costa Allegra e a razão é muito simples: há três dias eu comprei a tão sonhada câmera fotográfica que me fazia delirar toda vez que via uma parecida pelas ruas ou nas mãos dos fotógrafos. Como sempre fui fã de fotografia mas nunca tive a oportunidade (oportunidade = dinheiro) de comprar uma boa câmera, agora pareço uma criança com um brinquedo na mão: faço fotos (a partir de então não tiro mais fotos, faço fotos – aprendi isso num curto curso de fotografia há muitos anos; tirar foto qualquer um tira, basta apertar o disparador, mas fazer fotos são poucos). É claro que eu sei muito pouco ainda, mas gostaria de dividir com vocês algumas das imagens a que mais me apeguei.

Enquanto a maior parte dos turistas e da tripulação se dirige aos shoppings e aos pontos mais comuns das cidades, eu sempre pego o caminho inverso e tento sentir os gostos, os aromas, os sons, as cores e as energias dos lugares que conheço. Por isso, percebo que minhas fotos (vocês vão ver isso nas fotos de Da Nang, principalmente) tentam capturar o dia-a-dia, a cultura local, o comum para eles que para nós é tão diferente. Ao invés de descrever cada foto com detalhes e as situações que as propiciaram, como sempre faço, resolvi fazer algo diferente. Apenas uma breve descrição de cada uma. Um detalhe importante: a única foto que foi alterada no Photoshop é a do menininho (close-up), em que nenhum filtro nem alteração de cor foi feita, apenas fiz um crop (recorte). No mais, tudo ao natural...

Abaixo, então, fotos de Cai Lan e Da Nang.

Espero que gostem! Por favor, postem comentários. Estou muito, muito feliz por ter uma ferramenta em minhas mãos que pode registrar todo os lugares, faces e expressões que encontro nessas viagens, e de uma maneira tão fiel. Lembrem-se: são minhas primeiras fotos com esta câmera, estou ainda no B-A = BA.

Um forte abraço e um grande beijo a todos no Brasil. Saudades de todos, muitíssimas!

CAI LAN – É considerada a oitava maravilha do mundo. Pegamos um barco até uma caverna natural em meios às montanhas da bahia de Cai Lan, pertinho da capital Hanoi. No caminho, um barco com um homem, sua esposa e seus dois filhos nos aborda vendendo frutas. Pela primeira vez experimento Grapefruit (toranja, em português). Lindo!


















DA NANG – Aqui foi onde tudo aconteceu! Acho que nem preciso relatar o trauma deste lugar. As fotos explicam. Trauma que está indo embora aos poucos... Em Da Nang, almocei comida típica vietnamita: sopa de arroz com frango e ovo cru. Ainda conheci uma vendedora de refri muito simpática que me fez conversar em vietnamita sem saber uma palavra e, é claro, me fez comprar uma Pepsi. Além de ver e provar várias frutas, pude conhecer pessoas e bater papo em uma língua desconhecida por alguns minutos. . Realmente as palavras são desnecessárias!